Publicações

Buscar Publicação

Buscar: Buscar por: Título Resumo Autor Palavra-Chave

Categoria:

COMPETÊNCIA CLÍNICA PARA REALIZAR PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM – PERCEPÇÕES DE EGRESSOS

Autor: ADRIANA FREITAS DE ALMEIDA FINGER

Categoria: Dissertações 2018

Palavras-chave: Competência clínica. Enfermagem. Procedimentos clínicos

Resumo:

 O estudo teve como objetivo analisar percepções de egressos sobre o desenvolvimento da competência clínica para realizar procedimentos técnicos, no curso de graduação em enfermagem. A motivação para estudar esta temática foi fruto da minha experiência enquanto egressa da instituição de ensino, a partir de reflexões sobre a atuação dos alunos nos campos de prática. Trata-se de um estudo descritivo, exploratório e de abordagem qualitativa. Desenvolvido na Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal do Estado de Mato Grosso. Teve como participantes 11 egressos do curso de graduação do campus de Cuiabá – MT, que colaram grau entre os anos de 2014 e 2015 e se encontram inseridos no mercado de trabalho no município de Cuiabá. No presente estudo foram incluídos todos os sujeitos que aceitaram participar da pesquisa e atendiam aos critérios de inclusão, caracterizando a exaustão. A coleta de dados deu-se por intermédio da entrevista semiestruturada, mediada por roteiro contendo questões dissertativas. Utilizamos a análise de conteúdo do tipo temática, conforme proposta por Bardin. Os resultados desta dissertação resultaram em três manuscritos: 1) Religação de saberes no desenvolvimento da competência clínica em enfermagem, com os temas – Compreensões sobre competência clínica, Religação de saberes, práticas e interações durante a graduação e Religação de saberes, práticas e interações no início da carreira; 2) A dicotomia teoria-prática na formação do enfermeiro – ainda um desafio a ser superado, com os temas – A dicotomia expressa no Projeto Pedagógico do Curso, "Tempo de juntar as caixinhas" - o desafio de aprender a ser enfermeiro já sendo e Aprender mediado pela educação continuada; e 3) Professor, o que o enfermeiro faz? O papel docente na construção identitária da profissão - Professor, o que o enfermeiro faz? e A interação professor-aluno – impactos na constituição identitária do ser enfermeiro. Concluímos que o presente estudo nos possibilitou compreender os inúmeros aspectos que influem no desenvolvimento da competência clínica, ficando evidente a necessidade de transformações no cenário educacional, um caminho longo a ser trilhado. Para tanto, acreditamos ter contribuído com este estudo como um ponto de partida, um convite à reflexão acerca de como tem se configurado o processo de formação de enfermeiros.

Download: Clique aqui para realizar o download

PRÁTICAS DE PREVENÇÃO DE QUEDAS DE CUIDADORES DE IDOSOS E FATORES ASSOCIADOS

Autor: ABIGAIL ROXANA NINA MAMANI

Categoria: Dissertações 2018

Palavras-chave: Conhecimentos, Atitudes e Práticas em saúde; Prevenção de doenças; Acidentes por quedas; Cuidadores.

Resumo:

 A queda do idoso é um problema de saúde pública que traz implicações consideráveis para o idoso e seu cuidador. Este estudo teve por objetivo analisar as práticas de prevenção de quedas de idosos realizadas por cuidadores informais e os fatores associados. Estudo transversal analítico, desenvolvido em cinco unidades de Estratégia Saúde da Família da região Norte do Município de Cuiabá-MT, com 97 cuidadores informais de idosos. Esses cuidadores foram selecionados por amostragem não probabilística a partir dos critérios: ser cuidador informal e principal do idoso, idade igual ou superior a 18 anos. Os dados foram coletados nos domicílios dos cuidadores nos meses de junho a agosto de 2017, por meio da entrevista, com questionário elaborado pela pesquisadora e validado por um comitê de 9 juízes. A variável dependente do estudo é práticas de prevenção de quedas realizadas pelo cuidador e as variáveis independentes as características demográficas e socioeconômicas, condições de saúde e da função do cuidador e variáveis relacionadas ao idoso receptor de cuidado. Os dados foram organizados em banco de dados com dupla digitação seguida pelas análises descritiva, bivariada e múltipla utilizando o método de Regressão de Poisson para identificar os fatores associados. Pesquisa aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Júlio Muller, parecer nº 1.978.887 em 23/03/2017 e está vinculado ao PROCAD Edital n 071/2013. Dos 97 cuidadores entrevistados, a maioria (72,2%) encontra-se na faixa etária de 40 e 69 anos, (85,6%) é do sexo feminino, 47,4% são casados ou em união estável, 71,1% possui 9 anos ou mais de estudo, 60,9% recebem de 1 a 3 salários mínimos, provenientes do trabalho, aposentadoria e pensão. Em relação às condições de saúde do cuidador, 40,2% autoavaliam seu estado de saúde como bom, e 70,1% referiram possuir problemas de saúde. Metade (50,5%) dos cuidadores faz uso regular de medicamentos, 77,7% de 1 a 3 medicamentos. Em relação às características do idoso receptor de cuidado mais da metade (57,8%) dos idosos encontra-se na faixa etária de 80 anos ou mais, a maioria (74,2%) possui déficit cognitivo, 40,2% possuem dependência modificada com assistência de até 25% e independência modificada (25,8%) conforme Medida de Independência Funcional (MIF). Em relação às quedas, 42,3% dos idosos referiram queda nos últimos 12 meses, 90,7% apresentam alto risco de quedas. A maioria (60,8%) dos cuidadores é o filho/filha, 73,2% referiram não possuir experiência anterior e 44,4% exerce a função por um tempo de <1 a 4 anos. A prevalência de práticas de prevenção de quedas foi de 26,8% e teve associação estatisticamente significativa com as variáveis: anos de estudo (p=0,027), estado civil (p=0,047) e as atitudes dos cuidadores (p=0,037). Conclui-se que a prevalência dos cuidadores que realizam práticas de prevenção de quedas é baixa, cuidadores com 0 a 8 anos de estudo, estado civil casado e com atitudes não favoráveis apresentaram maiores prevalência de não prática.

Download: Clique aqui para realizar o download

FATORES ASSOCIADOS À TENSÃO DO PAPEL DE CUIDADOR EM CUIDADORES INFORMAIS DE IDOSOS

Autor: AKEISA DIELI RIBEIRO DALLA VECHIA

Categoria: Dissertações 2018

Palavras-chave: Diagnóstico de enfermagem, Cuidadores, Idoso.

Resumo:

 Introdução: A tensão do papel de cuidador (TPC) é a dificuldade para desempenhar o papel de cuidador da família ou de outros significantes e acomete muitos sujeitos envolvidos no cuidado às pessoas dependentes. Trata-se de um fenômeno multidimensional que tem como características alterações no estado físico e emocional do cuidador, desequilíbrio entre atividade e repouso e enfrentamento individual comprometido. Objetivo: Analisar os fatores associados ao diagnóstico de enfermagem tensão do papel de cuidador em cuidadores informais de idosos. Método: Estudo transversal e analítico realizado com cuidadores informais principais de idosos cadastrados em cinco Estratégias Saúde da Família (ESF) da região Norte da cidade de Cuiabá-MT. A amostragem do estudo foi não probabilística do tipo conveniência, composta por 99 cuidadores. A coleta de dados foi realizada nos meses de julho a setembro de 2017 por meio de entrevista utilizando questionário validado com questões sociodemográficas e de determinação do diagnóstico. Além disso foram utilizados o Mini Exame do Estado Mental (MEEM) para avaliar a capacidade cognitiva de cuidadores idosos/idosos, Inventário de Depressão Maior (MDI) para rastreio de depressão nos cuidadores e Medida de Independência Funcional (MIF) para verificar o grau de dependência do idoso para a realização de tarefas. Foi realizada análise descritiva com frequência absoluta e relativa e análise estatística bivariada para verificar as possíveis associações por meio do teste de qui-quadrado (x2). Também foi realizada a análise multivariada pela regressão logística múltipla para identificar os fatores relacionados associados à TPC. Utilizou-se o método stepwise forward para seleção das variáveis para montagem do modelo final considerando p<0,20 na análise bivariada. Resultados: 98,0% dos cuidadores possuem TPC sendo 74,2% do tipo leve/moderada e 25,8% do tipo grave. Os fatores associados à TPC foram imprevisibilidade da situação de cuidado (p<0,001), codependência do idoso (p=0,002), dependência do idoso (p=0,035) e instabilidade da saúde do idoso (p=0,023). Conclusão: Os achados desse estudo permitiram identificar os principais fatores relacionados que estão associados à TPC. Isso aponta para as necessidades de reorganização do trabalho das equipes das unidades de ESF como o desenvolvimento de avaliação multiprofissional integral e contínua ao idoso e seus familiares. O enfermeiro deve estar apto para estabelecer o diagnóstico TPC ajudando os cuidadores a eleger as melhores estratégias para prestar o cuidado ao idoso, auxiliando-o a superar as dificuldades no desempenho do seu papel.

Download: Clique aqui para realizar o download

ATITUDES DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE FRENTE AO COM COMPORTAMENTO SUICIDA: ESTUDO DE INTERVENÇÃO

Autor: JESIELE NEVES SPINDLER

Categoria: Dissertações 2018

Palavras-chave: Atitude; Atenção Primária à Saúde; Capacitação; Suicídio.

Resumo:

 Analisar as atitudes dos profissionais das equipes de Saúde da Família - eSF, expostos a capacitação, frente ao comportamento suicida. Metodologia: Estudo experimental, desenvolvido nas Unidades de ESF do município de Cuiabá-MT, de abril a agosto de 2017, foram incluídos: estar atuando nas Unidades de ESF nas funções de técnico de enfermagem, enfermeiros ou médicos e excluídos: trabalhadores lotados nas unidades de ESF da zona rural. A amostra constitui-se de 87 indivíduos alocados aleatoriamente no grupo intervenção (GI), e 174 no grupo controle (GC). Os profissionais do GI receberam uma capacitação para o atendimento de indivíduos com comportamento suicida com duração de 20 horas e as atitudes dos dois grupos foram avaliadas pré e pós-intervenção por meio do Questionário de Atitudes em Relação ao Comportamento Suicida composto por três domínios: sentimentos negativos frente ao comportamento suicida, percepção da capacidade profissional e direito ao suicídio. As análises foram realizadas no programa SPSS 20.0, utilizando os Testes t de Student para amostras independentes e dependentes com distribuições simétricas e para distribuições assimétricas o Teste de Wilcoxon. Para a análise bivariada utilizou-se o teste de Qui-Quadrado de Pearson, e para análise múltipla a Regressão de Poisson. Pesquisa aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do HUJM, nº1.978.854. Resultados: Apresentado na forma de dois manuscritos. O primeiro analisou a associação das atitudes dos profissionais da eSF frente ao comportamento suicida com as variáveis sociodemográficas, profissionais, relacionadas ao atendimento e comportamento suicida do profissional. Evidenciou-se que as variáveis que apresentaram associação estatisticamente significativa com percepção da capacidade profissional foram capacitação anterior em saúde mental, capacitação para o atendimento ao comportamento suicida, ter atendido pessoas com ideação suicida ou que foram a óbito por suicídio. Em relação à sentimentos negativos perante ao paciente suicida, as variáveis idade, escolaridade, situação conjugal, ter tentado suicídio, ter atendido pessoa que foi a óbito por suicídio e a profissão se associaram significativamente. As variáveis que evidenciaram associação com direito ao suicídio foram idade, escolaridade, ter alguém na família ou amigo que tentou suicídio. Na análise múltipla permaneceram, no modelo ajustado, capacitação para o atendimento ao suicídio, idade, já ter tentado suicídio, sexo, capacitação em saúde mental e em atendimento ao suicídio, ter atendido pessoa com ideação suicida, ter tentado suicídio e ter algum amigo com tentativa suicida prévia. O segundo manuscrito verificou se a intervenção da capacitação promoveu a melhora das atitudes dos profissionais de saúde e comparou os resultados entre os dois grupos. Os resultados evidenciaram que ambos os grupos apresentaram homogeneidade nos resultados do pré-teste. Após a intervenção o GI demonstrou ganhos estatisticamente significativos em seis dos sete itens que compõem o fator sentimento negativo. Quanto à percepção da capacidade profissional verificou-se ganhos em todos os quatro itens que compõe este fator e no direito ao suicídio, evidenciaram-se modificações positivas em três dos cinco itens. No GI as atitudes foram mais positivas quando comparado ao GC após a capacitação. Conclusão: Observa-se que a intervenção aplicada foi efetiva na mudança de atitude dos profissionais frente ao comportamento suicida. Tal achado contribui para a qualidade da assistência na atenção básica e reforça a viabilidade de capacitações com vistas a prevenir esse agravo na população.

Download: Clique aqui para realizar o download

ADOECER E MORRER NA JUVENTUDE: EXPERIÊNCIA FAMILIAR DE CUIDADO

Autor: MARIA SIMONE MENDES BEZERRA

Categoria: Dissertações 2018

Palavras-chave: Cuidado familiar, adolescente, câncer

Resumo:

 A pesquisa matricial (parecer nº 951.101/CEP–HUJM/2015) à qual esse estudo está vinculado possui a intenção de estudar famílias que enfrentam uma situação de adoecimento crônico. As necessidades do familiar adoecido requerem cuidados, modelados de acordo com a natureza e duração da enfermidade, através dos recursos familiares e suporte dos profissionais e serviços de saúde. Nesse estudo foi considerado o adoecimento e morte por câncer na juventude na qual a situação da família se torna mais complexa. Objetivo: Compreender a experiência familiar de cuidado a jovem com leucemia fora das possibilidades de cura. Metodologia: Pesquisa de abordagem qualitativa de base compreensiva que se configura como um “estudo de situação”. O contexto de vida considerado neste estudo é o vivenciado pela família de Estrela, jovem de vinte anos diagnosticada com Leucemia Linfoide aguda, fora das possibilidades terapêuticas de cura. Na recolha dos dados foi por meio da História de Vida operacionalizada pela Entrevista em Profundidade e pela Observação, que compuseram o Diário de Pesquisa. A leitura minuciosa do Diário de Pesquisa permitiu a classificação das narrativas em três temas: Experiência do adoecer crônico por câncer de jovem e a constelação do cuidado tecido pela família: a elaboração da alegoria da constelação nos levou a entender a (re)organização familiar por meio do movimento e das relações de cuidado que gera união familiar em torno da Jovem; Espiritualidade como modo de vida e estratégia de enfrentamento do adoecimento e finitude, onde a espiritualidade e religiosidade surgem como modo de vida e se reafirmando frente ao adoecimento e finitude; A morte como evento natural: experiência de jovem com câncer: A compreensão da experiência de morte e morrer de jovem com câncer, mostrou que esse processo pode ser percebido como algo que gera crescimento pessoal proporcionando uma riqueza inestimável de aprendizado. Considerações finais: Acreditamos que esse estudo impulsiona os profissionais de saúde a buscarem uma forma de cuidar que valorize a subjetividade de cada pessoa, e a maneira única como vivencia seus conflitos diante do adoecimento grave e morte, pois só conseguiremos cuidar do outro com maestria a partir do momento que o percebemos para além das técnicas pré-estabelecidas.

Download: Clique aqui para realizar o download